A3 BLOG

O impacto da pandemia na saúde mental do colaborador e empresário

Publicado em 06/10/2020

A crise nos causa medo, insegurança e ansiedade, e é isso que todos nós vivenciamos seja colaborador, seja dono de empresa, enfim, qualquer pessoa agora.

 

Poderíamos trazer milhões de exemplos de profissionais (colaboradores e empresários) impactados na sua saúde mental por conta da pandemia assim como estes fictícios que representam a realidade de muitos agora:

  • Larissa sente que o seu processo criativo está mais lento;
  • Augusto está com dificuldades para entender a queda de produtividade da sua equipe em home office;
  • Sônia está desesperada porque precisa apresentar um projeto da empresa, mas o seu bairro ficará sem energia justamente neste dia de home office;
  • Rodrigo sente falta dos amigos e do lazer nos horários de folga; 
  • O grau de irritabilidade de Rafael, trabalhando em home office e com os dois filhos pequenos no seu pequeno apartamento, está dificultando a sua concentração nas atividades...

Você se identifica com alguns destes cases

Está tudo diferente de como era há alguns meses atrás, não é mesmo? Neste novo momento, qual emoção você mais sentiu? Sentiu medo? É isso o que muitos estão sentindo...

O lazer, as relações, os comportamentos, as formas de consumo, contato, prevenção, preocupações...Tudo está diferente de como era há alguns meses atrás.  O Coronavírus nos gera medo, insegurança e ansiedade, e é isso que todos nós vivenciamos seja colaborador, seja dono de empresa, enfim, qualquer pessoa agora.

Diante de uma crise mundial, sentir emoções negativas é no mínimo aceitável.

O medo dos brasileiros diante da pandemia

O Centro de Valorização da Vida (CVV) presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas que querem e precisam conversar sob total sigilo e anonimato.

Segundo o Relatório Mensal de Atividades Nacionais do CVV, em abril de 2020, foram recebidas 308.909 ligações e a quantidade de ligações ficam muito próximas de 300 mil por mês se analisarmos os primeiros quatro meses deste ano de 2020.

Em entrevista a TV Record de Rio Preto, o voluntário do órgão, Francisco Leal, relata que, de dez ligações, nove são a respeito dos sentimentos relacionados ao Coronavírus. A distância dos amigos e parentes, medo de perder o emprego, de contrair a doença e a insegurança em relação ao futuro podem ser alguns temores dos brasileiros neste momento.

Se analisarmos essas angústias percebemos que são sentimentos gerais de qualquer pessoa. O desafio é de todos.

Não se pode deixar de considerar que tanto o profissional quanto empresário têm sofrido impactos na sua saúde mental por conta do atual momento, mas é notório também que cada um esteja vivenciando suas preocupações em perspectivas diferentes.

Diante de tudo isso, o CVV nos revela um ponto positivo: o brasileiro tem buscado algum tipo de suporte neste momento.

O medo da população mundial diante da pandemia

O documento “Resumo de Política: COVID-19 e a Necessidade de ação em Saúde Mental” publicado no mês de maio deste ano pelas Nações Unidas, revela que muitas pessoas estão com medo devido a vários fatores, como:

  • impactos imediatos do vírus na saúde;
  • consequências do isolamento físico;
  • risco de infecção, morte e de perder membros da família;
  • distanciamento físico dos entes queridos e pares;
  • problemas econômicos correndo o risco de perder (ou já terem perdido) sua renda e meios de subsistência.

Informações erradas e rumores frequentes sobre o vírus e profunda incerteza sobre o futuro também contribuem para a disseminação dos sintomas de preocupação e ansiedade.

O documento revela que um aumento de longo prazo no número e gravidade de problemas de saúde mental é provável com níveis mais altos do que o habitual de sintomas de depressão e ansiedade em vários países.

A ansiedade pode ser justificada pela falta de entendimento do cenário ou pela incerteza e instabilidade em relação ao futuro. No Brasil, além do impacto econômico já esperado, a instabilidade política e a condição da saúde pública (já sucateada com todos os problemas antigos) são dois agravantes para esse mal estar psicológico.

Para todos, profissionais e empresários, o medo e a insegurança parecem ser um dos sentimentos mais presentes no atual momento. O medo das demissões e o impacto da pandemia na sobrevivência do negócio são exemplos das principais angústias de cada um respectivamente. O risco de contrair a doença atinge ambos.

Os empresários também lidam com a responsabilização pelo retorno seguro das suas atividades e de como os funcionários estarão aptos a isso. A nossa entrevista com empresários goianos do agronegócio e do setor industrial revelam a perspectiva deles em relação ao momento.

Os problemas de saúde mental dos profissionais no Brasil

Antonietta Medeiros, médica e diretora de gestão de saúde e qualidade de vida da Mercer Marsh Benefícios, em uma reportagem ao jornal Valor Econômico, destaca que os problemas de saúde mental estão entre o terceiro motivo de afastamento de trabalhadores no Brasil. Eles já vinham ocupando destaque no impacto da saúde dos trabalhadores brasileiros e agora são ainda reforçados pelos desafios exclusivos da pandemia.

É um assunto que deve sim estar na pauta dos empresários. Políticas de inclusão e apoio aos funcionários podem ser caminhos efetivos para relações de trabalho melhores considerando este novo contexto.

É importante também ressaltar o papel das mídias no emocional de todos. Não se pode desconsiderar o seu papel de divulgação de dados, mas é preciso reconhecer que a quantidade de informações negativas tem um impacto e pode agravar a saúde mental dos espectadores.

É necessário cautela, discernimento e criticidade em relação ao tipo de informação buscada porque isso pode ter bastante influência no que você está sentindo hoje e na sua motivação daqui para frente.

Isso é muito importante também se pensarmos na organização como um todo. Que tipo de informações são veiculadas na empresa e como são comunicadas, além de um olhar mais atento à saúde emocional dos líderes são questões a serem pensadas daqui para frente porque terão ainda mais impacto no emocional dos colaboradores.

Sentir emoções negativas agora é no mínimo aceitável. Como então perceber a gravidade?

O momento é difícil e, por isso, sentimentos ruins vão aparecer ou aflorar. O que precisa ser percebido é se essas emoções estão frequentes impactando de maneira muito profunda na sua rotina, trabalho e relacionamentos.

A psiquiatra Emanuelle Garmes, que atua no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, à reportagem publicada no jornal Valor Econômico, revela que o ponto de alerta é quando a pessoa perde o controle da situação e precisa de cuidados específicos. É necessário sabermos diferenciar o que são sentimentos típicos do momento, como tristeza e nervosismo, de transtornos de depressão e ansiedade.

Pode-se perceber que é um momento de caos para todos, mas também uma oportunidade para olhar para si com mais resiliência e cuidado não se deixando levar por todo o desespero coletivo que as mídias e a própria situação tendem a nos levar.

Mesmo tentando sinalizar e entender os aspectos que impactam a saúde mental de colaborador e empresário, o contexto nos revela que os medos são praticamente os mesmos. Somos humanos e as emoções que sentimos fazem nos assemelhar cada vez mais, solidarizar-nos e entender que todos, enfim, vivenciam desafios.

O momento precisa ser vivido e sentido. O autoconhecimento voltado para a conscientização das emoções e do impacto delas na vida e relações pode ser uma oportunidade para colaboradores e empresários cuidarem da sua saúde mental e lidarem com o medo que esta pandemia evidencia.