A3 BLOG

Três focos do negócio na crise: responder, recuperar e reinventar 

Publicado em 10/03/2021

Condições que o mercado impõe à gestão durante a pandemia.

 

Ante a crise

A crise ainda perdura. E, para minimizar o assombro vivido pelas pessoas, surgiram inúmeras teorias e estratégias, as quais afetaram as formas de escolha, uso e consumo dos produtos e ainda o setor de prestação de serviços. Tudo isso atingiu diretamente a veia dos modelos de negócios.

Nunca se usou tanto o termo “sem precedentes na história”. Embora vacinas sejam uma realidade, a falta de referências e perspectivas concretas deixam os empresários ainda em um limbo obscuro.

Diante deste cenário, responder, recuperar e reinventar tem sido o foco de muitas empresas, mesmo que de forma inconsciente, principalmente na gestão de pessoas e do negócio.

A curva do negócio precisa crescer ou ser mantida. E o que irá definir o sucesso ou insucesso provavelmente estará nesses três focos: 

1.    Responder para garantir a autoconfiança, segurança e prosseguimento dos negócios. Estabelecer e lidar com as prioridades imediatas para conservar a segurança das pessoas e persistir no crescimento da empresa;

2.    Recuperar. Começar e recomeçar. Preparar para reiniciar mais de uma vez com partidas conhecidas ou não. Estabelecer os vários pontos de chegada e partida para proporcionar o crescimento no mercado, sempre considerando o que é certo para o momento adequado;

3.    Reinventar. Alocar tempo na análise e no plano de ação a fim de garantir uma vantagem competitiva sustentável. Estabelecer novos critérios para os processos e produtos - com as pessoas -, buscando sempre transformar para fortalecer a resiliência e projetar o futuro.

Os três focos - responder, recuperar e reinventar - na gestão de pessoas

Em adequação à crise e visando garantir a continuidade dos negócios, as corporações se viram diante da necessidade de montar operações remotas e habilitar novas formas de vender, executar serviços, gerenciar operações e proteger informações.

O equilíbrio entre sustentabilidade do negócio, fluxo de caixa, desenvolvimento de pessoas e ambiente seguro trouxe (e traz) para a alta gestão a indispensabilidade de trabalhar com profissionais qualificados e capacitados para lidar, de forma eficiente, com o cenário de mudança. 

Atuando com esses três focos - responder, recuperar e reinventar - no que se refere à gestão de pessoas, é necessário compreender algumas habilidades que se tornaram imprescindíveis:

  • Resiliência para reinventar a cadeia;

  • Produtividade ante a falta de um único foco;

  • Gestão das emoções para lidar com as expectativas que podem ser frustradas pelo cenário de mudança;

  • Capacidade analítica e íntegra em curto e longo prazo;

  • Construção de oportunidades de forma ágil.

Durante essa jornada, transformar e capacitar equipes para serem produtivas e colaborativas exigiu (e exige) muito tempo, dedicação e disciplina da alta gestão da empresa para se estabelecer novas metas, padrões, processos e tudo que contemple a garantia do crescimento do negócio.

Apesar da frase “isso não seria possível sem as pessoas” ter sido tão banalizada nos últimos tempos, chegando a causar até desconforto em quem acorda todos os dias com o objetivo de assegurar resultados, vale a pena refletir sobre o contexto no qual as empresas precisam de profissionais competentes.

Os três focos - responder, recuperar e reinventar - na gestão do negócio

Atuando com esses três focos - responder, recuperar e reinventar - no que se refere à gestão do negócio, é necessário combinar as principais estratégias para reconhecer as prioridades e, assim, decidir sobre manter ou desligar pessoas:

  • Espera políticas de financiamento mais rígidas para a transformação nos custos?
  • Todas as ações contribuem para acelerar as mudanças, fazendo mais com menos?
  • Quais são as prioridades? Elas acompanham a velocidade das mudanças?
  • Atualmente, quais têm sido as aspirações frente ao cenário de mudança?
  • Onde alocar investimentos para consolidar uma mudança sustentável?

Responder essas e outras perguntas tem ajudado muitos executivos a garantir o progresso de suas operações. Muitos ainda utilizam a expressão “cortar na carne”. No entanto, ignorar essa realidade não foi uma escolha de muitos da alta gestão para fazer seus negócios respirarem e construírem estratégias de reabertura no mercado, reacendendo no momento exato.

Com todo impacto causado nos diversos setores, as novas bases digitais, custos, pessoas e negócios seguem simultaneamente. Executar e prosperar no mercado, utilizando a crise de maneira favorável, requer competência da alta gestão, pois trabalha com a resiliência e suas diversas transformações. Isso porque será necessário organizar a cadeia de produção, suprimentos, dados e processos. 

De ponta a ponta, a empresa precisará passar por ajustes para que consiga lidar, de forma mais rápida e eficiente, com todas as flutuações de mercado, políticas econômicas e pessoas.

Nesse sentido, existem muitos aspectos a serem analisados e, principalmente na gestão de pessoas e do negócio, será essencial identificar oportunidades e lacunas para agir com esses três focos: responder, recuperar e reinventar.