A3 BLOG

O que o home office deixa como lição para a rotina dos profissionais?

Publicado em 01/09/2020

Os benefícios e desafios vivenciados pelos profissionais por meio da adequação forçada à modalidade home office.

 

Apesar de ser uma prática muito frequente na rotina de vários profissionais e em outros países do mundo, a modalidade de trabalho home office ainda não é tão comum na rotina das organizações do Brasil.

Com a pandemia, muitas empresas e profissionais se viram forçados a adotar essa prática como medida de isolamento social e estratégia para se manterem ativos em meio a esta crise sanitária global.

Essa experiência proporcionou novas possibilidades de gerenciamento de rotina para os profissionais e trouxe a luz benefícios e desafios que merecem reflexão.

Os benefícios do home office

A pesquisa realizada pela empresa Ticket, entre os dias 20 e 22 de março deste ano de 2020 com usuários em todo o Brasil e publicada no jornal Valor Econômico, destacou alguns benefícios com a prática do trabalho remoto. São eles:

  • Redução do tempo de deslocamento;
  • Maior proximidade dos familiares;
  • Nova forma de trabalho;
  • Sentimento de proteção;
  • Flexibilidade de horário.

Realizamos uma enquete (formato Sim ou Não) com os nossos seguidores das redes sociais a partir dessas vantagens. A redução do tempo de deslocamento foi um dos benefícios com maior porcentagem de votos na opção “Sim”. Saiba mais sobre os benefícios mais votados na nossa enquete e no Brasil sobre a prática de home office!

Com o trabalho em casa, quem precisava gastar tempo com deslocamento para o trabalho pode ter percebido duas vantagens importantes:

1.      O redirecionamento do horário que gastaria no trânsito para outras atividades de preferência (acordar mais tarde, prática de exercícios físicos ou hobbies e mais tempo com o núcleo familiar são alguns exemplos);

2.      Economia de gastos decorrente desse deslocamento (combustível ou passagem de transporte público).

Vantagens essas que contribuem para a qualidade de vida e economia financeira do profissional e podem resultar em maior disposição e motivação do mesmo no seu trabalho. E se você ainda está em home office, confira nossas dicas que podem te ajudar a potencializar ainda mais o seu desempenho!

Os desafios do home office

O home office é um formato de trabalho novo para alguns profissionais, por isso, a ideia de produtividade como era no presencial pode ser diferente e o processo de adequação variável para cada profissional. Tudo isso pode trazer o sentimento de improdutividade e dificuldade de organização.

Podem surgir dúvidas e dificuldades de adaptações, e o processo pode se tornar desafiador como um todo se associado ainda ao momento que já tem um contexto negativo. Afinal, trabalhar a distância por escolha é diferente de sermos pressionados a vivenciar esse formato de uma hora para outra!

Empresas tiveram que repensar sua infraestrutura e logística para atender às demandas dos profissionais, seus processos (ou até mesmo paralisar projetos e equipes) e sua carga horária. Líderes tiveram que repensar o seu formato de comunicação, acompanhamento e avaliação da equipe e reuniões on-line acabaram se tornando o meio de comunicação mais viável. E os profissionais, o que revelam como desafios?

A pesquisa citada anteriormente também destacou alguns desafios dos brasileiros com a rotina home office:

  • Aumento de carga horária;
  • Distração;
  • Distanciamento dos colegas;
  • Falta de informação da empresa;
  • Falta de estrutura em casa.

Novamente compartilhamos uma enquete com os nossos seguidores das redes sociais a partir dessas dificuldades elencadas pela pesquisa citada anteriormente. O aumento da carga horária de trabalho foi um dos desafios com maior porcentagem de votos na opção “Sim”. Saiba mais sobre os desafios mais votados na nossa enquete e no Brasil sobre a prática de home office!
 

Deve-se levar em consideração a fusão do local de trabalho com o local de descanso, o que pode trazer algumas angústias para os profissionais por não viverem o processo de diferenciação do que é trabalho e lazer.

Com a análise dos benefícios e desafios com maior porcentagem nas nossas enquetes, o que mais fica forte com a experiência do home office é a sua relação com o aproveitamento do tempo, aparecendo tanto como benefício (permitindo uma rotina mais voltada para o contexto pessoal do indivíduo) quanto desafio (com a percepção do aumento da carga horária do trabalho). Perspectivas essas que impactam na qualidade de vida do profissional e revelam informações relevantes para se pensar futuramente.

O home office pós-crise

Realizamos também uma pesquisa no mês de maio deste ano com os nossos seguidores a fim de saber o interesse ou não pela continuidade do home office. Os resultados demonstraram que a maioria deles (56%) não tem interesse em continuar com o home office pós-crise. Os motivos mais destacados estão associados à baixa interação com os colegas e à dificuldade de organização da rotina. Confira os dados nacionais!

Muitos admitiram sentir falta da convivência com os colegas e também avaliaram como outro ponto de atenção a dificuldade de comunicação. Tudo isso reflete o valor da interação social para as entregas dos profissionais e o quanto a comunicação neste momento é essencial para garantir os alinhamentos e motivação necessários podendo também ter relação com a saúde mental dos colaboradores.

Estratégias que evidenciem ou reforcem essa comunicação e interação, neste momento, podem refletir benefícios e prevenir problemas de saúde mental dos colaboradores, por isso, precisam estar na pauta das organizações e lideranças.

A importância da comunicação e maior resiliência nas relações com os colaboradores podem ser possíveis caminhos para uma retomada que não atinja tanto a produtividade e cuide da saúde emocional do colaborador. 

Algumas empresas têm buscado oferecer estratégias para lidar com essa pressão como rodas de conversa para suporte emocional além de oferecer canais de meditação. Podemos perceber a contribuição da comunicação e de estarmos junto para superação desse processo de “luto”.

Já os participantes que votaram a favor da continuação do home office destacaram maior produtividade e maior aproximação da família como argumentos de defesa desse formato. Nesse resultado, muitos profissionais demonstraram perceber maior produtividade no trabalho em casa, sendo um ambiente fornecedor de novas ideias e motivador para garantir bons resultados.

Além da maior aproximação da família, vale destacar outras percepções positivas relacionadas a essa modalidade como economia de tempo que era gasto com o trânsito, o conforto de trabalhar em casa, além da redução de gastos com alimentação e deslocamento.

O que fica de lição com essa experiência?

Independentemente da continuidade ou não do home office, é fato que o cenário atual acelerou todas as ações voltadas para o digital das empresas. Buscar se desenvolver considerando esta realidade pode ser uma grande estratégia neste momento. Como você está se desenvolvendo para atender ao cenário digital daqui para frente?

Além disso, é possível perceber também o poder das relações para o enfrentamento das dificuldades impostas pelo momento. No cenário organizacional, a comunicação deve ser ressaltada e ampliada entre líderes e equipes, entre pares e em todo o nível organizacional para que possa ser o meio para tentar resgatar o vínculo “perdido” com o isolamento social e o home office.

Para líderes: investir em momentos de acompanhamento, avaliação e comunicação constantes com a equipe, criar canais que possibilitem a integração e conexão dela com os pares, além de desafiá-la a resolver problemas podem ser o caminho para motivá-la diante desses desafios. Se você é líder e sua equipe ainda está em home office, confira as nossas dicas para potencializar o seu processo de avaliação!

Flexibilidade parece ser a palavra-chave neste contexto para todos:

  • Profissionais que se viram mais longe uns dos outros e de seus líderes; 
  • Líderes com a necessidade de novas reformulações de orientações, acompanhamento e avaliações da equipe considerando ainda a saúde emocional da mesma nesse processo; 
  • Organizações repensando desde pautas mais básicas como os protocolos de higienização e infraestrutura até remanejamento do planejamento estratégico para atender de forma mais ágil e assertiva o cliente sem desconsiderar as análises sobre pessoas, produtos e processos...

Fica evidente que o trabalho remoto requer comportamentos como responsabilidade, reflexão pessoal, melhoria contínua, esforço, dedicação e principalmente flexibilidade. Flexibilidade essa que servirá de experiência e aprendizado seja para continuar nesse formato, seja na modalidade presencial. 

O que podemos destacar como lição para os profissionais com o home office é a possibilidade de um olhar mais crítico para o equilíbrio entre rotina pessoal e profissional com a vivência dos benefícios e desafios dessa prática. Não podemos deixar de evidenciar o processo de desenvolvimento o qual todos foram convidados neste momento tão único do mercado, do mundo e da história da sociedade.