A3 BLOG

Gerenciar as suas emoções: estratégia para a sua saúde mental e carreira

Publicado em 03/09/2020

Conhecer nossas emoções e entender como nos sentimos em relação a cada uma delas pode parecer uma missão quase impossível. No entanto, isso pode ajudar (e muito) a lidar melhor com a vida em todos os aspectos. No campo do trabalho, especificamente, tal ação proporciona um ambiente saudável na relação empregado e empregador.

 

Se algo sair errado, a confusão estará armada, não é mesmo? Deve ser por isso que provavelmente nos fazemos essa pergunta constantemente principalmente em situações de conflito. Duplicamos a vigília para garantir o equilíbrio e muito frequentemente nos negligenciamos.

Se o assunto é mudança, parece que estamos em uma montanha russa de emoções. O pensamento pode ficar atordoado e podemos utilizar aquela estratégia muito conhecida: “respira, calma, nada de fazer algo com a cabeça quente”.

Tudo isso provavelmente porque declaramos guerra entre razão e emoção, como se estivéssemos em um ringue no qual quem se sair melhor, vence. No entanto, razão e emoção se complementam no processo de avaliar e decidir.

1. Como diferenciar as emoções, sentimentos e estados de ânimo?

Para começar a compreender as emoções, vamos entender a diferença fundamental entre elas e os sentimentos pela ótica da psicóloga Rosa Corrascosa, no livro “Emocionário”:

A.        Emoção versus Sentimento

I. Emoções são estados afetivos inatos e automáticos que afetam nosso corpo, mente e comportamento. O propósito das emoções é nos ajudar a lidar com o que acontece à nossa volta.

II. Sentimentos são a tomada de consciência dessas emoções. Eles servem para expressar nossos estados emocionais de maneira mais racional para os outros e para nós mesmos.

Suponhamos que você esteja inseguro com a entrega de um determinado projeto/atividade no trabalho. Você não se considera totalmente apto(a) a realizá-lo tampouco se sente confortável para compartilhar tal situação com seu líder por receio de ele usar isso para avaliar suas habilidades e considerar seu desligamento.

Toda essa circunstância pode fazer seu corpo paralisar, seu cérebro não raciocinar, sua perda de foco aumentar, sua procrastinação eclodir. Tal estagnação pode levar seu líder a duvidar da sua capacidade de garantir a entrega com qualidade e dentro do prazo acordado.

Tomar consciência do que está acontecendo com você neste momento e pedir ajuda a um colega de trabalho ou mesmo ao seu líder, quando há abertura para isto, pode ser um passo para sair dessa armadilha que pode acontecer com qualquer um.

B. Emoção versus estado de ânimo

Existe uma relação estreita entre emoção e estado de ânimo, quase imperceptível, em uma situação vivenciada que precisa de uma resposta imediata. É necessária uma investigação cuidadosa e autoconhecimento para esse mergulho.

Funciona mais ou menos assim: o que começa com uma emoção transitória ligada a um acontecimento pode mudar para um estado de ânimo se perdurar, contagiando os espaços onde vivemos.

Continuemos com o exemplo: você tem um projeto para entregar ao seu líder hoje. A tensão pode ter sido a emoção mais consistente ao longo de todo o seu dia com a finalização dos últimos detalhes. Após a entrega do projeto, você pode sentir uma sensação de alívio, como se tirasse um peso de suas costas, passando o resto do dia relaxado e aliviado pelo dever cumprido.

Agora perceba as emoções que sentiu diante das diversas situações que você enfrentou hoje.  (Quais dessas emoções você tem percebido sentir com mais frequência?). Note que alguma específica te chama a atenção. Reflita: a qual situação específica ela está relacionada?

Enquanto a emoção é aguda e se desfaz em pouco tempo, o estado de ânimo pode ser crônico e perdurar, já que pode acontecer com menos estímulos. 

Voltando novamente ao exemplo: se você recebesse um feedback positivo de um cliente, por exemplo, dificilmente você iria sentir-se tão bem, pois tamanho era o seu estado de insegurança, desconforto e ansiedade com a entrega do projeto ao líder.

Isto porque as emoções são expressas ou suprimidas e os estados de ânimo podem ser disfarçados. Contudo, os dois predispõem à ação, portanto, influenciam comportamentos

Controlando as emoções, você está a um passo de controlar os comportamentos (ótima notícia, não é mesmo?).

C. Estados de ânimos

Segundo a adaptação de Miller (2011), é possível termos condições de nos autoavaliar sobre o estado de ânimo baseando na análise de dois fatores conforme mostra o gráfico a seguir:

 

I. Nível de energia (alta energia, equilibrado, baixa energia);

II. Ânimo (positivo ou negativo).

 

 A partir dessa análise o autor revela quatro categorias de estados de ânimo nas quais podem se encaixar vários outros:

  • Ansiedade – alta energia e ânimo negativo;
  • Atividade – alta energia e ânimo positivo;  
  • Serenidade – baixa energia e ânimo positivo;
  • Melancolia/Depressão – baixa energia e ânimo negativo.

Percebe as suas situações vivenciadas com, por exemplo, ansiedade ou melancolia, e ainda a sua capacidade de estar mais ativo ou sereno. Isso afeta a sua capacidade para fazer julgamentos, na tomada de decisão e nas próprias ações.

 Qual o seu estado de ânimo agora?

D. Emoção x razão

A emoção é a resposta mais rápida a uma mudança ambiental, por isso, ela pode interromper processos mentais rápidos. O autoconhecimento se torna fundamental então para te orientar no melhor a ser feito. O estado de ânimo também terá seu papel durante todo esse processo, quando essa emoção perdura, conforme descrevemos anteriormente.

Por detrás de cada mudança há oportunidades para o crescimento transformador e as emoções positivas possibilitam esse olhar. Elas nos preparam para o futuro incerto porque nos convidam a:

  • Testar as fronteiras do que sabemos;
  • Gerar soluções criativas para ameaças iminentes, pequenas e grandes.

Já as emoções negativas, assim como os estados de ânimo negativos (ansiedade e melancolia), podem oferecer mais riscos ou limitar a busca pela solução de problemas no processo de lidar com a adversidade.

Nas mudanças e desafios, emoções de ansiedade, preocupação e depressão tendem a aflorar “tomando o lugar” das emoções de alegria, paz e felicidade. Como lidar com esse fato no ambiente de trabalho? 

2.   Ambiente de trabalho é local para expressar as emoções?

Desejo afirmar que é humanamente impossível sufocar as emoções - e os sentimentos decorrentes delas - por um longo período, sem ter uma consequência relativamente grave no ambiente de trabalho a qual pode afetar desde a sua saúde mental até a saúde econômica.

É muito comum ouvirmos: “Ao entrar no trabalho, deixo meus problemas de casa lá fora, e, quando saio, pego-os novamente”. Trata-se, portanto, de uma crença limitante, que pode até ter tido alguma relevância em um determinado momento da história, mas que atualmente perdeu o sentido, podendo até ser interpretada como falta de inteligência.

Isso mesmo! A inteligência emocional trata da capacidade de olharmos para nossas emoções, ter consciência de suas consequências e dar um próximo passo para lidar com elas. Entenda que lidar não é eliminar.

No exemplo citado acima, o fato de você: tomar consciência de sua insegurança; perceber seus comportamentos de paralisação e falta de foco; e buscar ajuda de colegas ou líder, não garantirá que você não tenha os mesmos sentimentos em um outro projeto. O que poderá contribuir será o acúmulo das suas experiências vividas e absorvidas para uma solução que pode acontecer futuramente de forma menos sofrida (isso se você  permitir reconhecer suas limitações quando elas surgirem).

Você pode estar se perguntando: “Mas viverei esse processo sempre?” A resposta a essa pergunta não é exata. Mesmo desenvolvendo comportamentos que te levem a ter maior controle e te ensinam a lidar melhor com os cenários, em uma situação de estresse agudo - como fusão da empresa, mudança de gestão ou desligamentos em massa - tudo pode vir à tona.

O ambiente de trabalho faz parte da sua vida, então, tenha consciência que estes sentimentos irão surgir. Cabe, portanto, a reflexão: Como posso lidar melhor com eles?

 3.   Controle emocional = suprimir ou ressignificar?

Toda situação ativa nossas emoções, assim como também nossas capacidades de enfrentá-la. Reconhecendo os estímulos que disparam as emoções, encontramos maneiras de lidar melhor com elas.

Não se deixar levar pelas emoções ou impulsos é essencial em situações onde as emoções são infladas pela sensação de perda de controle e de resultados catastróficos. 

O controle emocional nos auxilia a lidar com situações críticas. O mero fato de reconhecermos internamente as emoções que sentimos já é um primeiro passo muito importante. Perceber as suas emoções diante dos momentos de adversidades é fundamental para entender a influência deles nos seus comportamentos.

Como então desenvolver esse controle emocional? Esse controle pode ser definido como a capacidade do indivíduo de não só permanecer focado na situação estressante como também de demonstrar comportamentos consistentes em uma variedade de situações.

As pessoas tendem a controlar as emoções de duas maneiras: por meio da supressão (esconder os sentimentos) ou ressignificação (repensar uma situação emocional). Confira mais sobre a importância de desenvolver a sua inteligência emocional com esta minitrilha!

Suprimir as emoções pode ser o caminho mais arriscado para lidar com as situações do cotidiano principalmente em cenários instáveis, pois, no longo prazo, pode contribuir para o seu processo de adoecimento e em alguns momentos você poderá (pelo tempo que guardou para si as emoções) reagir de forma impulsiva prejudicando o seu enfrentamento da situação.

Ressignificar as suas emoções principalmente em situações de mudanças e conflitos é o caminho para uma atitude mais adequada que seja melhor para você e para todos os envolvidos. Quando ressignificamos, obtemos o controle consciente de nossas emoções, contribuindo para uma saúde emocional mais satisfatória.

Pensamentos, emoções e comportamentos saudáveis associados ao estado de ânimo constante e positivo estão no topo dos desejos de empresas, colegas de trabalho e por que não também da família e amigos?!

Todos podem se beneficiar de tal escolha. A responsabilização sobre nossas emoções, estados de ânimos e comportamentos favorecem o crescimento de todos que estiverem envolvidos direto ou indiretamente. O processo de autoconhecimento será determinante para que essa jornada seja mais positiva do que negativa, compreendendo que jornadas emocionais são maratonas internas e intensas.

Dica boa é dica compartilhada! 

Existem algumas emoções consideradas básicas e alguns exemplos que as ilustram na prática:

A. Alegria - “Me sinto extremamente entusiasmado hoje!”

B. Medo -  “Acho que alguma coisa ruim pode acontecer comigo.”

C. Tristeza -  “Me sinto desanimado, sem energia!”

D. Surpresa - “Nossa! Não acredito que isto é verdade!”

E. Raiva - “Me sinto injustiçada!”

Faça o seguinte exercício quando estiver frente a um desafio:

  • Em uma escala de 0 a 10, o quanto eu estou me sentindo sobre este projeto/atividade/rotina?
  • Quais são as ações, pessoas, recursos ou meios que podem me ajudar a executar tal projeto?

4.  Saúde mental

A dosagem que colocamos nas nossas emoções e sentimentos define a nossa saúde mental, pois toda falta ou excesso pode levar ao caminho da patologia.

Todas essas emoções e sentimentos irão contribuir para que o seu estado de saúde mental possa melhorar ou prejudicar a sua vida profissional. É fundamental ter consciência deles e de como se apresentam para vivenciar uma situação mais próxima do equilíbrio.

Procure seguir este caminho:

  1. Acolha sua emoção seja ela qual for;
  2. Procure transportá-la para o aspecto da consciência;
  3. Busque ajuda!

Perceber as suas emoções, estados de ânimo e sentimentos é o primeiro passo para saber gerenciá-los no ambiente de trabalho e nas situações em geral da vida. 

O controle emocional é a estratégia que você precisa desenvolver para garantir a sua saúde mental e o desenvolvimento da sua carreira principalmente diante deste cenário de mudanças.